Saiba como dormir para perder peso sem perder a saúde!

ago 4, 2017

Eliminar os quilos extras parece uma tarefa exaustiva para milhões de brasileiros que estão acima do peso ou que buscam se sentir mais felizes com seus corpos.

Para conquistar esse objetivo, é preciso criar uma rotina de atividades físicas e ter uma alimentação regrada. No entanto, a verdade é que há outro ponto de extrema importância que deve ser observado: é preciso dormir para perder peso com saúde.

Especialistas da área de nutrição e da medicina do sono concluíram, por meio de uma série de estudos, que a qualidade do sono está diretamente relacionada ao emagrecimento.

Neste artigo, falaremos mais sobre o que a ciência tem a dizer a respeito da perda de peso durante o sono e explicaremos por que o repouso é tão importante para a nossa saúde. Acompanhe!

Por que dormir para perder peso?

Como você já deve saber, é durante o sono que produzimos uma série de hormônios essenciais para o bom funcionamento de nossos corpos. Quando privamos o organismo da quantidade certa de descanso, acabamos por afetar esse ciclo hormonal, que terá consequências diretamente em nosso apetite, estresse e nível de concentração.

Para comprovar a teoria, o programa “Trust me, I’m a doctor”, do canal britânico BBC, decidiu convocar 4 voluntários. No pequeno experimento, três pessoas eram constantemente interrompidas durante o seu sono por um bebê boneco, enquanto apenas um deles tinha uma noite plena e bem descansada.

No dia seguinte, todos foram submetidos a um café da manhã variado. O grupo que não conseguiu descansar por pelo menos 7 horas, fez escolhas mais calóricas ou ingeriu uma quantidade maior de alimentos do que o voluntário que teve o descanso completo.

Como a falta de sono pode atrapalhar?

Com os estudos e experimentos, era preciso ir mais a fundo no assunto e descobrir o que fazia a falta de sono ser um indício do aumento da gordura corporal. A pista para essa resposta nós já demos um pouco acima: os hormônios.

Os estudiosos afirmam que interromper o sono afeta a produção de hormônios intimamente ligados à fome: a grelina e a leptina.

Grelina

Também conhecida como “hormônio da fome”. Produzida pelo estômago, ela envia um estímulo para o cérebro sempre que a pessoa necessita de alimento. Conforme nos alimentamos, a concentração de grelina também diminui e o organismo recebe a informação de que estamos saciados.

As pesquisas mostraram que indivíduos com quantidade insuficiente de sono acabam produzindo mais grelina do que o normal, o que provoca um aumento do apetite.

Leptina

A leptina é produzida pelo nosso corpo quando ele já atingiu a fase 3 do sono, conhecida como sono profundo. É um hormônio que sinaliza ao cérebro que o nosso corpo já tem reservas suficientes. Ou seja, normalmente, acaba inibindo o apetite.

O problema é que quando dormimos pouco, a secreção desse hormônio é menor e seu controle sobre a saciedade é ineficiente. Isso faz com que não consigamos identificar quando já estamos satisfeitos.

Com isso, temos ao mesmo tempo um aumento do apetite e um controle da saciedade prejudicado, logo o resultado não poderia ser outro: mais dificuldade para emagrecer, ou mesmo passamos a ganhar peso.

Quanto devo dormir para emagrecer?

Para a maior parte dos indivíduos, entre 7 e 8 horas de sono são suficientes para que o corpo descanse, produzindo a quantidade certa de todos os hormônios essenciais para o seu pleno funcionamento.

No entanto, há pessoas que necessitam de mais horas de descanso, assim como existem aqueles que conseguem colher esses benefícios em menos tempo. Por isso, o ideal é que a pessoa observe e descubra qual é a sua necessidade.

Para descobrir, basta realizar um exercício simples. Ao se deitar, deixe que seu corpo descanse e não programe nenhum despertador. Ao acordar, você terá verificado a quantidade de sono necessária para se sentir bem.

Se você possui hora marcada para despertar, porém, o ideal é que tente dormir sempre 15 minutos antes do que está habituado, até que desperte antes de seu relógio e não se sinta cansado.

Quanto posso emagrecer ao dormir bem?

O médico americano Michael Breus, autor da dieta do sono The Sleep Doctor’s Diet Plan, afirma que esse valor também varia de pessoa para pessoa, mas que há uma regra básica: cada um dos estágios do sono precisa ter, pelo menos, 90 minutos.

Como existem 5 estágios, o ideal é que se durma, em média, 7 horas e meia todas as noites. Além disso, é necessário esperar que o corpo se adapte à mudança no horário de sono, o que pode demorar até 30 dias.

Ainda de acordo com o especialista, a pessoa que consegue manter a qualidade do sono por um mês inteiro, pode eliminar nada menos do que 7 quilos.

Como o sono age na nossa saúde?

Além de nos ajudar a eliminar os quilos a mais, o sono também é importante para toda a nossa saúde. O departamento de Nutrição Clínica do HealthNOW Sunnyvale Health Center, na Califórnia, constatou que pessoas com sono leve ou que dormem mal, produzem menos células NK (Natural Killer).

Liberadas durante o sono, elas são importantes células do nosso sistema imunológico: ajudam a combater toxinas, infecções e até mesmo células cancerígenas. Para serem liberadas, é preciso que nosso corpo produza melatonina, hormônio secretado apenas na fase do sono profundo.

Vale lembrar que a melatonina é conhecida como o hormônio antienvelhecimento ou hormônio anticancerígeno. Sua principal função no corpo é induzir o sono, além de auxiliar no combate de algumas doenças.

Outro aspecto importante, diz respeito aos problemas causados pelo excesso de peso. Entre eles está um risco maior de doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2, hipertensão, apneia do sono e depressão. Por isso, dormir bem te ajudará a manter o bom funcionamento do organismo, e a prevenir uma série de enfermidades.

Agora que você já sabe que é preciso dormir para perder peso e manter a saúde, que tal continuar acompanhando outras dicas sobre estilo de vida e bem-estar? Curta nossa página no Facebook e tenha acesso a conteúdos exclusivos sobre o tema!

Tabelas atualizadas dos principais planos de saúde: planos individuais, empresariais, para gestantes, para crianças, para familiares e para idosos.