Cuidados com a saúde dos idosos: tudo o que você precisa saber

Cuidados com a saúde dos idosos: tudo o que você precisa saber

Talvez você não tenha tido o privilégio de conviver com seus avós ou bisavós por muito tempo. Na década de 70, por exemplo, a expectativa de vida do brasileiro era de 57 anos — um número bem diferente dos atuais 76 anos. Por isso, a saúde dos idosos hoje é um tema muito importante para a sociedade e para as famílias.

E você, sabe que cuidados precisa ter com a saúde dos idosos? Quer descobrir qual é a melhor forma de preservar a vitalidade e qualidade de vida dos seus familiares? Quer entender que hábitos pode começar a desenvolver hoje para chegar à terceira idade disposto e produtivo?

Então, não perca o post de hoje! Vamos falar de tudo o que você precisa saber para cuidar da saúde dos idosos ou até mesmo para se preparar para essa etapa cada vez mais gratificante da vida. Confira!

Pense na prevenção e segurança dos idosos

Atualmente, é muito comum as pessoas acima de 65 anos serem ativas e independentes. Muitas moram sozinhas e executam a maioria das atividades do dia a dia sem grandes problemas, o que contribui para seu bem-estar e sensação de autossuficiência.

No entanto, os idosos enfrentam um risco maior de acidentes. A perda gradativa do equilíbrio, da visão, diminuição dos reflexos, mobilidade e força muscular fazem deles um alvo fácil para quedas, impactos e lesões variadas.

Por isso, é importante que eles vivam em um ambiente o mais seguro possível. Algumas adaptações nas residências e rotina são muito eficientes para protegê-los e evitar acidentes.

Nos países onde a população já está mais envelhecida, existe um conhecimento mais aprofundado sobre as necessidades dessa faixa etária. Eles também desenvolveram soluções domésticas que contribuem para a segurança dos idosos.

Quer saber como tornar o ambiente seguro para prevenir acidentes e garantir o bem-estar das pessoas na terceira idade? Confira a lista a seguir:

Cuidados com a casa

A casa ideal para um idoso é aquela sem escadas, que tem poucos degraus e soleiras, que podem causar acidentes. Também é importante instalar pisos antiderrapantes e barras em locais de circulação e nos banheiros. Essas medidas evitam quedas.

A eliminação de obstáculos (tapetes, móveis no meio do caminho) são algumas alterações úteis. Eles podem fazer o idoso tropeçar e cair. Também é importante que haja pontos de luz facilmente acessíveis para que o indivíduo não precise caminhar no escuro.

Monitoramento remoto

Quando o idoso mora sozinho ou permanece em casa enquanto os outros membros da família trabalham, o monitoramento remoto pode ser muito útil. Ao contrário do que muitos pensam, hoje, existem relógios inteligentes com essa função. Eles enviam informações importantes sobre o idoso para seus parentes por meio de aplicativos.

Assim, se ocorre uma queda, o relógio dispara um alarme para o responsável pelo idoso. Ele pode tentar contato por telefone e, caso não consiga uma informação que o tranquilize, pode acionar o socorro e providenciar a assistência necessária.

Esse tipo de monitoramento é muito importante. Sabemos que o socorro rápido em caso de ocorrências graves (infarto, AVC) é essencial para aumentar as chances de sobrevivência da pessoa.

Assistência em tarefas exigentes

Diversas tarefas de limpeza e manutenção de uma residência exigem o uso de equipamentos que podem provocar acidentes. É o caso de ferramentas afiadas ou escadas, que envolvem o risco de lesões ou quedas.

É importante que o idoso tenha assistência para a realização dessas tarefas. A faxina periódica deve ser feita por profissionais ou outros membros da família. O mesmo vale para atividades de manutenção.

Veja as doenças mais comuns na terceira idade

Com uma “máquina” mais desgastada, é comum que algumas doenças sejam mais frequentes na terceira idade. Os problemas que apresentam riscos maiores ou estão bastante presentes nessa fase da vida são:

Problemas cardiovasculares

Eles estão presentes em toda a vida adulta e são uma das principais causas de morte no mundo. Na terceira idade, os problemas cardiovasculares se tornam ainda mais perigosos.

A forma mais comum é a doença arterial coronariana, que é um estreitamento ou bloqueio das artérias do coração. As obstruções ou rupturas podem causar ataques cardíacos que, em suas ocorrências mais sérias, levam até mesmo à morte.

Doença cerebrovascular

Também conhecida como AVC ou acidente vascular cerebral, ela ocorre quando um vaso sanguíneo no cérebro fica bloqueado ou sofre rompimento, impedindo que o sangue chegue a determinadas partes desse órgão. As células afetadas morrem rapidamente, podendo causar sequelas ou morte.

Hipertensão arterial

Acontece quando a força que o sangue exerce sobre as paredes de uma artéria durante o bombeamento normal do coração é muito grande. A pressão alta pode danificar os vasos sanguíneos, os rins, o coração e outros órgãos.

Câncer

Trata-se do desenvolvimento de células anormais que crescem incontrolavelmente, causando danos ao organismo. Os tipos mais comuns na terceira idade são o câncer de estômago, bexiga, próstata, colorretal, pulmão, pele, mama e linfoma não Hodgkin.

Diabetes tipo 2

Essa doença é causada por uma alteração na forma como as células absorvem e utilizam a glicose. Os tecidos ficam sem energia necessária para funcionar e o problema pode afetar diversos órgãos.

As consequências mais comuns do diabetes são cegueira, lesões no sistema nervoso, ataques cardíacos, derrames e insuficiência normal. A melhor forma de prevenir e controlar o problema é com uma alimentação saudável e prática de exercícios.

Doença de Parkinson

O mal de Parkinson é mais comum nos homens do que nas mulheres. Trata-se de um distúrbio neurológico que faz com que o paciente tenha rigidez muscular, tremores visíveis e movimentos bruscos.

Ele pode dificultar muito as atividades do dia a dia, já que o paciente perde parte do controle motor. Histórico familiar, lesões na cabeça e exposição a toxinas químicas são alguns fatores que aumentam as chances de desenvolver a doença.

Demência (incluindo o mal de Alzheimer)

Trata-se de uma perda significativa de funções cerebrais. Ela pode aparecer por meio de lapsos de memória, dificuldades de atenção e comunicação, confusão mental e alterações de personalidade e humor.

Há várias causas para a demência: doença de Huntington, mal de Parkinson e demência vascular são as mais comuns. No entanto, o mal de Alzheimer é uma causa frequente e preocupante. À medida em que a doença evolui, o paciente perde suas capacidades cognitivas e se torna cada vez mais dependente dos familiares para atividades do dia a dia.

Doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC)

Acontece devido à inflamação das vias aéreas, espessamento no revestimento dos pulmões e uma produção acima do normal de muco nos tubos de ar. Com todas essas barreiras, ocorre uma redução na quantidade de ar dentro e fora dos pulmões.

O paciente tem sintomas como falta de ar, sibilos (assovio ao respirar) e tosse crônica. É mais comum em fumantes ativos e passivos ou em pessoas que foram expostas à poluição industrial e contaminantes no local de trabalho.

Osteoartrite

Essa é uma doença mais comum em mulheres, pessoas que tiveram lesões anteriores ou obesos. Provoca inchaço e dores articulares, que podem ser tratadas com anti-inflamatórios, fisioterapia e medicação para dor.

Osteoporose

É uma perda de massa óssea, deixando os ossos mais fracos e finos, mais fáceis de quebrar em um acidente ou queda. A osteoporose pode ser prevenida com exercícios, além de uma dieta rica em cálcio e suplementação de vitamina D.

Cataratas

Trata-se da perda de transparência na lente natural do olho, o cristalino. Ela faz com que o paciente perca gradualmente a visão para perto e para longe. O tratamento para o problema é cirúrgico.

Conheça a importância da alimentação saudável para a saúde dos idosos

A idade traz um declínio natural no funcionamento de muitos órgãos e sistemas do corpo. Porém, esse processo pode ser retardado ou amenizado com o estilo de vida. A alimentação tem um papel fundamental nesse programa de prevenção.

Os idosos devem utilizar uma alimentação saudável e balanceada. Como as pessoas de todas as idades, eles precisam consumir carboidratos (de preferência integrais), proteínas magras, muitos vegetais e gorduras boas (azeite de oliva, abacate, salmão, sardinha).

A alimentação saudável envolve a decisão de fazer escolhas conscientes e benéficas em cada refeição. Isso quer dizer que é preciso utilizar mais alimentos naturais e integrais e menos produtos industrializados. Reduzir as quantidades de sal, açúcar e gorduras saturadas ou trans também são atitudes importantes.

Encher o prato de itens coloridos — verduras, legumes, frutas, cereais integrais, sementes e oleaginosas — é o ideal. As carnes magras também são bem-vindas. Porém, além das recomendações normais para uma alimentação saudável, os idosos devem ter alguns cuidados especiais. Saiba quais são eles:

Maior necessidade de proteínas

Existe uma perda muscular acentuada que pode ser amenizada com o consumo de proteínas saudáveis: carnes brancas ou pouco gordurosas, feijões variados, leite, entre outras.

Mas como a mastigação e digestão podem ser mais difíceis, esses alimentos devem ser apresentados da forma mais fácil de ser consumida: pedaços pequenos, moídos, ralados ou desfiados.

Ajuda para a digestão

Enzimas digestivas em cápsulas, consumo de mamão papaya, abacaxi e limão são algumas alternativas para ajudar o corpo no processo de digestão. Chás de alecrim, hortelã e camomila também são aliados.

Manutenção da saúde do cérebro

Peixes, gema de ovo, oleaginosas (castanhas, nozes etc.) são alguns dos alimentos que ajudam a manter o cérebro saudável. Também entram nessa lista as gorduras saudáveis, como o abacate, o azeite de oliva e peixes.

Reforço para os ossos

É comum os ossos dos idosos se tornarem mais frágeis, mas esse problema pode ser combatido com o consumo de cálcio e suplementação de vitamina D. No entanto, o leite deve ser usado apenas quando não causa problemas gastrointestinais no indivíduo.

Apesar de o leite ser uma das principais fontes de cálcio, esse mineral também é encontrado no brócolis, couve, espinafre, sardinha, linhaça, grão de bico, sementes de linhaça, gergelim e chia ou na aveia, entre outros alimentos.

Saiba como devem ser as atividades físicas nesse período da vida

Você já deve ter observado algumas dificuldades muito comuns em idosos: perda do equilíbrio, da densidade dos ossos (que ficam mais sujeitos à quebra), dores nas articulações, diminuição da massa muscular e da mobilidade geral.

Além de prejudicarem a realização das atividades de rotina, esses problemas aumentam as chances de os idosos caírem, quebrarem ossos e terem dificuldades no processo de recuperação.

A melhor forma de prevenir esses problemas é a realização de atividades físicas supervisionadas. Quando o indivíduo é sedentário, ele tem uma perda de força muscular muito acentuada a partir dos 60 anos, principalmente nos membros inferiores e tronco.

Quando os idosos realizam exercícios físicos da maneira correta, devidamente supervisionados por profissionais, eles conseguem retardar o surgimento desses problemas.

Além disso, a atividade física previne condições como a osteoporose (ossos ficam mais “ocos” e frágeis), obesidade e diabetes. A musculação na terceira idade também é um aliado para deixar os músculos mais fortes e tirar a sobrecarga das articulações.

É importante que o idoso seja avaliado por um médico antes de começar uma rotina de exercícios. Os resultados dos exames mostrarão qual é o treino mais apropriado de acordo com as condições cardiológicas, pulmonares, metabólicas e musculoesqueléticas do paciente.

Também é essencial que ele seja acompanhado pelo profissional de saúde e pelo educador físico, garantindo todos os benefícios que a atividade proporciona sem qualquer risco de lesão.

Valorize os hábitos saudáveis para a terceira idade

Grande parte das doenças que afetam os idosos e a população em geral não tem qualquer origem em contaminação. Isso significa que elas se desenvolvem devido a um estilo de vida inadequado e não muito saudável.

Por isso, é importante desenvolver e manter hábitos saudáveis que vão contribuir para seu bem-estar na terceira idade. Vamos contar a você quais são eles:

Não ceder à inatividade

Mesmo que já tenha se aposentado, é importante que o idoso se mantenha ativo. Ele pode dedicar o tempo livre para dedicar-se a algum hobbie, desenvolver uma nova habilidade ou mesmo aprender algo completamente novo.

Esses estímulos vão manter o cérebro em alerta, evitando problemas de memória, concentração, raciocínio e a perda de funções cognitivas. Aliados aos exercícios físicos, eles vão manter corpo e mente em forma.

Aproveitar as oportunidades de socialização

O isolamento emocional é péssimo para o corpo e para a mente. O tempo do idoso deve ser aproveitado para conviver com pessoas que lhe façam bem, que tragam alegria e prazer.

Reunir os amigos para conversar, participar de um jogo que gostam ou dançar são ótimas formas de socializar. Elas contribuem para manter o indivíduo fisicamente ativo e emocionalmente estimulado.

Participar de campanhas de vacinação

Para o idoso, a recuperação de doenças pode ser mais difícil e envolver complicações. Por isso, tudo o que puder ser feito para preveni-las é muito importante para a manutenção da saúde.

Uma forma de prevenir doenças é participar de campanhas de vacinação. Normalmente o próprio governo incentiva os idosos a se imunizarem contra gripes e outras doenças, mesmo que essa opção não esteja aberta a toda a população.

Visitar o médico com frequência

Não espere sentir uma dor para visitar seu geriatra. Faça das consultas uma rotina e realmente realize todos os exames que o médico indicar. Isso vai ajudar a detectar problemas de saúde em um estágio precoce, facilitando o tratamento.

Não utilizar medicamentos sem orientação médica

O que é bom para o vizinho pode não funcionar para todos. Por isso, quando se trata do uso de medicamentos, é fundamental só tomá-los sob orientação médica.

Um remédio pode ser completamente ineficiente ou até prejudicial dependendo do quadro clínico do paciente. Além disso, a interação com outros medicamentos que o paciente utiliza pode fazer mal ou anular o efeito de uma ou outra substância, o que é extremamente perigoso.

Controlar o peso

Além de dificultar a locomoção, o excesso de peso é associado a uma série de doenças: problemas cardiovasculares, diabetes, artrites, pressão alta e outros perigos à saúde do idoso.

Portanto, é fundamental controlar o peso. Alimentar-se adequadamente e praticar atividade física são as melhores formas de manter os ponteiros da balança no lugar. Caso tenha dificuldade nessa questão, procure auxílio do médico.

Lembre-se da necessidade do apoio psicológico

Não é só o corpo que precisa de cuidados. A terceira idade é uma etapa que envolve mudanças e adaptações. Alterações na rotina e a aposentadoria, por exemplo, podem afetar o senso de utilidade do idoso e provocar emoções conflitantes.

Além disso, trata-se de um momento em que se contabilizam algumas perdas significativas. O idoso sente que está perdendo amigos e familiares, sua produtividade, vê que sua saúde está mais frágil e também pode começar a enfrentar algumas limitações físicas.

Tudo isso pode causar episódios de depressão e ansiedade. Os problemas que fazem com que o idoso necessite de atendimento psicológico mais frequentemente são:

  • experiências de luto;
  • problemas de relacionamento conjugal ou familiar;
  • sentimentos provocados pela condição de dependência (física ou financeira);
  • perdas cognitivas;
  • problemas relacionados à sexualidade;
  • solidão;
  • alcoolismo.

Por todos esses motivos, é importante ficar atento ao estado emocional do idoso e, diante de dificuldades persistentes, procurar apoio psicológico.

A psicoterapia na terceira idade é uma ferramenta importante para que essas pessoas consigam de adaptar de forma satisfatória às mudanças e desafios dessa etapa da vida, alcançando bem-estar e qualidade de vida.

Entenda o porquê do acompanhamento médico periódico

Como já comentamos antes neste post, algumas das doenças mais comuns na terceira idade são males silenciosos. Pressão alta, alterações nos níveis de colesterol e triglicerídeos e o mal de Alzheimer são alguns dos exemplos de doenças que avançam silenciosamente. Quando o paciente ou seus familiares percebem os sintomas, o quadro pode ter maior gravidade.

A detecção precoce desses problemas de saúde dos idosos é fundamental para iniciar o tratamento ainda no estágio inicial. Além de aumentar as chances de sucesso, a realização antecipada dos procedimentos reduz os riscos de complicações.

Por isso, é muito importante que o idoso tenha acompanhamento médico periódico. O geriatra, que é o profissional mais indicado para avaliar os pacientes na terceira idade, pedirá exames preventivos que ajudarão a detectar problemas e identificar aspectos da saúde que precisam de mais atenção. De forma geral, eles incluem:

  • exames de imagem (ultrassonografia, mamografia, radiografia, tomografia);
  • análises laboratoriais (sangue, urina, fezes);
  • testes específicos para determinadas doenças, de acordo com o histórico do paciente;
  • densitometria óssea;
  • colonoscopia.

Porém, o médico pode pedir outros procedimentos. Isso depende muito do estado geral do paciente, do histórico clínico pessoal e de sua família.

Além desse cuidado preventivo, o idoso deve procurar o geriatra sempre que sentir qualquer tipo de sintoma fora do normal ou desconforto. Isso vai permitir que um eventual problema seja tratado enquanto o quadro é menos grave, aumentando as chances de recuperação.

Conte com assistência especializada

Tendo em vista o que destacamos ao final do último tópico, uma das principais necessidades para o idoso é a facilidade de contar com uma rede de atendimento confiável. Caso ele dependa de serviços públicos de saúde, existe o risco de não conseguir realizar os procedimentos no tempo mais apropriado, agravando sua situação.

O número de procedimentos recomendados aumenta à medida que a idade chega. O pagamento dos exames na rede particular geralmente se torna mais caro a cada ano, o que acaba fazendo com que muitos idosos não cuidem da saúde como deveriam.

A melhor opção para o idoso é, sem dúvida, a adesão a um plano de saúde. Assim, ele pode fazer o acompanhamento periódico com consultas e exames — quantos o médico achar necessários — sem temer um peso adicional no orçamento.

A importância do plano de saúde para idosos

plano de saúde para idosos é imprescindível para evitar que ele seja vítima de doenças traiçoeiras e invasivas que, quando se manifestam, podem já estar em um estágio em que não há nada que se possa fazer. A consulta frequente ao médico é essencial para que o paciente seja orientado quanto a hábitos para preservar a saúde. Ao utilizar a medicina preventiva, o idoso se torna menos susceptível a problemas graves.

Além desse benefício, o plano de saúde também é uma garantia de que o associado receberá o atendimento adequado em caso de emergência. Assim, diante de qualquer tipo de acidente ou crise aguda de uma doença, ele não precisa aguardar em longas filas por atendimento ou internação.

Depois de tanto trabalho e desafios superados ao longo de décadas, as pessoas que chegam à terceira idade merecem tempo e disposição para desfrutarem das atividades das quais mais gostam.

Os cuidados com a saúde dos idosos são essenciais para conseguir o equilíbrio perfeito entre longevidade e qualidade de vida, portanto, devem ser prioridade para as famílias. Adotar um estilo de vida saudável e contar com profissionais preparados são atitudes fundamentais para alcançar esse objetivo.

Quer saber como você pode contar com a melhor assistência de saúde em sua cidade? Então, não perca tempo! Contate a nossa equipe e descubra qual é o melhor plano para atender às necessidades da sua família!


Also published on Medium.

Share This